sexta-feira, 28 de agosto de 2009

DESABAFO II

Resolvi aproveitar a repercussão da postagem sobre meu grandão para falar um pouco sobre o atendimento dispensado aos PPMM nos HPMs. Antes de começar a comentar a respeito de vários fatos que ocorrem durante os atendimentos, não só nos hospitais como também nas policlínicas, quero deixar claro que como profissional de saúde conheço as diversas dificuldades enfrentadas por nós durante o trabalho, compreendo também que deve ser extremamente difícil para um médico manter-se trabalhando como oficial PM, cumprindo escala, enquanto em um consultório ou clínica ela irá ganhar bem mais; consigo também, por estar dentro do sistema de saúde pública, entender as dificuldades enfrentadas com falta de pessoal afinal, além dos que se desligam permanentemente do serviço, existem aqueles que pedem as licenças sem vencimentos, as licenças médicas, as licenças especiais e outros tipos de afastamento que são facultados aos funcionários públicos, sejam eles militares ou não. O que vim aqui falar é mais um discurso profissional, é uma divagação a respeito de algo que aprendi durante a minha experiência de trabalho e sobre um treinamento que recebi chamado “Humanização no tratamento hospitalar”. Aprendi que o profissional de saúde deve dirigir-se ao paciente não como doente do leito x ou pelo nome da moléstia que carrega, mas como Sr. Fulano de Tal, para que no decorrer do tratamento ele não perca sua identidade primária de ser humano, aprendi que o carinho e a dedicação do profissional são preponderantes na recuperação do doente, fui treinada para cuidar do meu cliente como se fosse alguém próximo meu e não como se fosse “coisa” sem utilidade e valor.
As queixas que tenho ouvido a respeito dos atendimentos nas unidades de saúde da PMERJ são, na sua grande maioria, a respeito da desconfiança que os médicos deixam transparecer com relação às queixas dos pacientes, esse foi o meu problema como é de muitos. Falei com várias pessoas e li comentários, não só no meu blog, sobre casos nos quais os médicos tratam as queixas como fantasias ou mentiras e que nem de posse dos exames se convencem que as queixas são reais. O médico, mesmo numa unidade militar, não pode esquecer que antes de ser um superior hierárquico é um profissional que fez um juramento de salvar vidas, independente de que vida seja e que o paciente que ele está atendendo não merece ser tratado como um mentiroso em potencial nem como um caçador de licenças médicas. Existem casos que podem agravar muito se tratados com indiferença e se não forem cuidados com rapidez e eficiência. Agora vou falar diretamente com minhas colegas da enfermagem, não só as técnicas, mas também as enfermeiras: Sejam vocês cabos, sargentos, tenentes, ou seja lá qual cargo ou patente, não podem esquecer que nós também fizemos um juramento e que educação vem de berço, também trabalho com o público e sei que muitas vezes o acompanhante do paciente torna-se inconveniente ou agressivo e cabe a nós contornarmos a situação; é difícil? Claro que é! Como explicar a alguém que está vendo uma criatura querida sofrer que o médico está demorando porque foi tomar um café e você não está podendo sair dali naquele momento para chamá-lo? Ou que o “doutor” está em outro atendimento? Caramba, a nossa função é administrar os cuidados prescritos ao enfermo e não de servir de babá do médico ou fazer as vezes de recepcionista, mas temos que lembrar que somos o elo intermediário entre essas duas funções além de sermos as pessoas mais próximas do cliente e de seu acompanhante e, por isso, somos os profissionais que mais sofrem com os desabafos, afinal a visão do médico promove o alívio e a certeza que o sofrimento vai acabar, ele se torna o porto seguro, mesmo que nós sejamos o instrumento final para a promoção desse alívio, então, caras colegas de trabalho, vamos ter um pouco mais de paciência e carinho com as pessoas que, num momento extremo, estão dependendo de nós, vamos lembrar do nosso juramento. Tenho certeza que ao responder com educação e carinho a uma atitude mais agressiva a resposta será mais branda, ninguém bate em que lhe afaga.
Esse desabafo foi a forma que encontrei para tentar mostrar ao Cel James, que tem visitado o blog e que foi muito solicito comigo, que o problema não é só de falta de pessoal, mas também de posicionamento profissional. Percebi ao conversar com o diretor da DGS que ele é um profissional consciencioso e, como tal, põe a saúde do cliente em primeiro lugar e não a sua posição na hierárquica e esse posicionamento deve ser transmitido a todos os profissionais de saúde da PMERJ. Faz-se urgente um bom treinamento em tratamento humanizado para todos os profissionais de saúde da corporação, é claro que salários dignos ajudam muito para modificar a postura do profissional, pois quando a pessoa é bem paga ela trabalha muito mais satisfeita e isso se reflete diretamente na sua produtividade, porém salário é uma questão governamental que, me parece, não tem a mínima importância para o Governador Sérgio Cabral, mas existem “n” outros estímulos para alavancar o bom atendimento, entre eles melhores escalas de serviço, folgas extras, etc.
Conto com a consciência e a inteligência do diretor da DGS e do Comandante Geral para que haja melhora visível no atendimento das Unidades de Saúde da PM, nós não temos condições de pagar um plano de saúde e saber que estamos dependendo de um atendimento precário em matéria de tratamento humano nos faz sofrer por antecipação.
Aproveito também para dar uma sugestão: A volta das UBS nos batalhões é ótima idéia, desde que os profissionais tenham material para trabalhar, não adianta ter dentista em uma UBS e não ter material para fazer um procedimento básico de obturação. As UBS deveriam ter clínico, dentista, ginecologista, pediatra, profissionais de enfermagem além de coleta de exames básicos como sangue, fezes e urina. Sei que é “sugerir” demais, ouvi do próprio cel. James que a polícia sofre com uma falta “crônica” de profissionais de saúde, afinal a verba e a melhoria salarial dependem do governo e, mesmo com tantos policiais descontando fundo de saúde, a desculpa da falta de verba está sempre na ponta da língua do nosso governador.

11 comentários:

goreth disse...

Soldado de Goiás ganha mais que Oficial de São Paulo

O salário inicial BASE de um soldado em Goiás é de R$ 2.700. Quase o TRIPLO de um subtenente em São Paulo(R$ 1.004,49).

Hoje Goiás só perde para o Distrito Federal e para o estado de Sergipe. Mas se compararmos com os maiores estados do Brasil, um soldado de Goiás ganha mais que um coronel do Rio de janeiro, São paulo ou Minas Gerais.

Para se ter uma idéia o salário base de um tenente-coronel de São Paulo é de 2.606,25 e um coronel 2.879,91. Equivalente respectivamente a um soldado e um cabo de Goiás.

E claro que esses oficiais superiores enquanto na ativa recebem gratificações que podem dobrar seus salários, mas que deixará de ganhar após se aposentarem. A Adicional de Local de Exercicio por exemplo que é 30 porcento de um salário de segundo tenente não o acompanha quando vai para reserva.

Apesar de tudo o Governo de Goiás ensaiou um reajuste salarial para repor a database, mas não foi possivel por conta da crise mundial. Mas ano que vem prometeu novidades para as entidades de classe.

Para ser soldado é exigido graduação em qualquer área e para oficial que seja bacharel em Direito.


http://sargentoroque.com/

Anônimo disse...

No dia 30/08/2009 (domingo), ás 10:00h, no Posto 10 (Orla do Leblon) será realizado uma passeata em favor do PEC 300/2008.

Anônimo disse...

Olá Silvia!
Com Certeza Deus estará sempre abençoando você e sua família. Silvia em 25/08/09 às 18:17h fiz um relato de um episódio na página do seu Blog (DESABAFO I), que aconteceu comigo no HCPM, quando levei meu esposo para ser socorrido. Hoje analisando a sua postagem, me curvo diante da sua capacidade de dirimir e, apresentar soluções para o desleixo com que os praças e seus familiares são tratados naquele hospital.
É óbvio que somos também profissionais de saúde e, entendemos perfeitamente as dificuldades para exercemos a nossa profissão, mas você há de convir que estamos em contato direto com o ser humano e, quer a profissão médica ou de enfermagem, são além de tudo profissões de amor ao próximo. Os profissionais de saúde dos HCPM, HPM-NIT e Policlínicas, tem que entender isto, para que nós e nossos conjugues não venhamos mais a ser humilhados em público e ameaçados de prisão como eu fui. A funcionária de enfermagem que me fez essa ameaça tinha que trabalhar na Emergência do Hospital Municipal de grande porte como eu trabalho, que é superlotada, e nem por isso destrato os pacientes e seus familiares, pois lá também trabalhamos com humanização do atendimento e temos cursos de capacitação periodicamente.
Salários baixos e, falta de verba não coaduna com falta de caráter, de profissionalismo, educação e amor ao próximo. Silvia, o Policial Militar já sofre todo o tipo de pressão e, quando procura atendimento médico é humilhado. E o pior por pessoas que juraram servir aos enfermos.
É preciso Urgente que o Senhor Coronel James Strougo (DGS), tome medidas eficazes, a fim de humanizar os profissionais de saúde – PRAÇAS E OFICIAIS. E pergunto será que eles passam por reciclagem? Cursos de capacitação profissional? Assistem palestras direcionadas a saúde? Ou somente em toda a vida Policial Militar aprendem apenas o Regulamento Disciplinar da PMERJ? E com isso acabam esquecendo que são profissionais de saúde que lidam com VIDAS, com SERES HUMANOS. Peço ao Coronel James Strougo que faça com que todos relembrem o juramento feito, pois todo término de faculdade ou de curso profissionalizante existe um juramento, e o mesmo deveriam ser colocado no Boletim da Corporação, assim como fazem com o Decágono da PMERJ, ou seja, diariamente, para que não seja apagados de suas mentes.
Fica com Deus e esteja certa que estamos engajadas nesta luta, apesar de me sentir mal, só em ouvir falar em HCPM.

Anônimo disse...

ENVIO OS JURAMENTOS DA MEDICINA E DA ENFERMAGEM... QUE SIRVA DE REFLEXÃO...

JURAMENTO DOS MÉDICOS ( HIPÓCRATES)
"Eu, solenemente, juro consagrar minha vida a serviço da Humanidade.
Darei como reconhecimento a meus mestres, meu respeito e minha gratidão.
Praticarei a minha profissão com consciência e dignidade.
A saúde dos meus pacientes será a minha primeira preocupação.
Respeitarei os segredos a mim confiados.
Manterei, a todo custo, no máximo possível, a honra e a tradição da profissão
médica.
Meus colegas serão meus irmãos.
Não permitirei que concepções religiosas, nacionais, raciais, partidárias ou sociais intervenham entre meu dever e meus pacientes.
Manterei o mais alto respeito pela vida humana, desde sua concepção. Mesmo sob ameaça, não usarei meu conhecimento médico em princípios contrários às leis da natureza.
Faço estas promessas, solene e livremente, pela minha própria honra."

JURAMENTO DE ENFERMAGEM
“Solenemente, na presença de Deus e desta assembléia, juro:
Dedicar minha vida profissional a serviço da humanidade, respeitando a dignidade e os direitos da pessoa humana, exercendo a Enfermagem com consciência e fidelidade; guardar os segredos que me forem confiados; respeitar o ser humano desde a concepção até depois da morte; não praticar atos que coloquem em risco a integridade física ou psíquica do ser humano; atuar junto à equipe de saúde para o alcance da melhoria do nível de vida da população; manter elevados os ideais de minha profissão, obedecendo aos preceitos da ética, da legalidade e da moraL, honrando seu prestígio e suas tradições”.

Anônimo disse...

Senhora Silvia, parabéns pelo sucesso do seu Blog. Saúde para a senhora e os seus familiares. Prezada senhora, permite-me fazer um adendo no DESABAFO-II. AS VERDADES QUE O CORONEL NÃO FALOU:
1)A PMERJ tem a partir do ano de 1975 com a fusão, 04 (quatro) Polícias Militares em uma só, vou explicar: existe o (Q-E), que são os policiais militares oriundo do antigo Distrito Federal; o (Q-I), que são os policiais militares do extinto-Estado da Guanabara; o (Q-III), que são os policiais militares do antigo Estado do Rio de Janeiro e, o (Q-II), que são os policiais militares, que ingressaram após o ano de 1975, compondo portanto o atual efetivo da Polícia Militar.
Como a senhora pode observar, com a criação do novo Estado do Rio de Janeiro, veio este LEGADO de Policiais Militares, que saturou as Unidades de Saúde, haja vista o HCPM, já foi uma Unidade Hospitalar de referência do Rio de Janeiro. Ocorre senhora Silvia, que é mais fácil o Senhor Coronel James Strougo (D.G.S.), chamar a senhora e resolver o seu caso esporadicamente e, ficar se LAMENTANDO, do que tomar uma atitude enérgica que seria, sentar junto ao Sr. Coronel Mário Sérgio (C.G.), e falar a VERDADE, ao ficar ”enxugando gelo no molhado”. Solução para a SAÚDE-PMERJ existe:
a)Abrir imediatamente uma licitação, para captar empresas de saúde na rede privada, (PLANO EMPRESARIAL), buscando o melhor preço e a melhor qualidade;
b)Direcionar o Plano de Saúde, aos Policiais Militares da ativa Reformados, Reserva Renumerada e, todos os seus familiares;
c)É óbvio, que o Plano de Saúde Empresarial seria Facultativo, mas analisando o seu custo e benefícios, valeria pagar, pois o preço sairia irrisório, devido ao grande quantitativo de policiais militares e dependentes.
d)Gostaria de deixar claro, que o HCPM, HPM-NIT e PPMS, iriam continuar, porém com um número bem menor de atendimentos e, voltados mas para os Policiais Militares da Ativa, devido os entraves burocráticos que lhe são peculiares, a fim de homologar dispensas médicas e moléstia etc.., que não é o caso dos Policiais Inativos e seus Familiares;
e)Mas senhora Silvia, os coronéis não querem abrir mão, preferem ver os Policiais Militares e seus Familiares AGONIZANDO, nas imensas filas de madrugadas frias e chuvosas, mendigando um atendimento médico, se perdendo em suas palavras falaciosas, do que falar a VERDADE, num sistema de SAÚDE totalmente inoperante e ineficaz;
f)Para finalizar, a Aeronáutica, Força Aérea Brasileira (FAB), já adota este Sistema há muito tempo, e a estrutura hospitalar da Aeronáutica, nem se compara com a PMERJ;
g)O Plano de Saúde Empresarial seria pago se possível pelo usuário, através de boleto, a PMERJ, seria uma Gestora, porque se deixar desconto em folha poderá ocorrer do Estado não repassar as mensalidades.

CHRISTINA ANTUNES FREITAS disse...

Sra. Silvia:

Primeiramente minhas desculpas por estar enviando notícias sobre a PEC-300, sem na realidade saber que estava passando por esses problemas com seu marido.
Como fiquei focada na PEC-300 e vi que voce se ausentaria, não entrei em seu Blog.

Estou com uma amiga, cujo filho de 21 anos, perdeu inicialmente 15 ks. Ela tem um bom Plano de Saúde, ficando ele internado em uma grande Clínica no Rio de Janeiro, mas a conclusão sobre doença foi demorada.

Esse menino não é um Policial Militar, mas viveu grande stress devido ser sempre o 1º de Turma, completar a Faculdade antes dos 21 anos e assim, viver sobre pressão de pessoas ligadas a ele para que fizesse prova para Polícia Federal, etc.

Naturalmente, como ótimo aluno foi passando em todos os concursos (que não gostaria de ter feito, pois a Faculdade que cursou nunca foi sua opção, e sim opção familiar), até começar a emagrecer e perder muito sangue.

Foram muitas Colonoscopias, muitos exames,vários profissionais envolvidos e hoje sabemos que o stress o levou a uma baixa de imunidade de tal forma, que adquiriu uma doença Auto Imune Chamada Síndrome de Crown (não sei se o nome escreve-se assim).

Hoje meu amiguinho já conseguiu engordar 6 Kg, mas tem uma vida bastante regrada... Não pode ficar ansioso, nervoso e está muito inseguro diante de tudo. Sua grande sorte é ter uma mãe determinada e uma manorada a anos, que o apoia e luta por ele!

O primeiro diagnóstico que meu amigo recebeu de uma grande Clínica do Rio de Janeiro, foi de Câncer. O Segundo foi de Amebíase em estágio avançado...

Então Sílvia, força para voce, seu marido e seus meninos. Sabemos que hoje a medicina dispõe de meios avançados para todo tratamento. Inclusive o Câncer, que hoje em dia, grande parte é curável.

Se voce tiver interesse, mande-me o nome de seu marido, idade e se possível endereço, pois existe uma rede de orações , na maioria dos Países do Mundo, que em um mesmo horário (independente se aqui é dia ou na China é noite), um grupo de mulheres, oram por pessoas. Este grupo chama-se "MULHERES QUE ORAM", e conheço a força da oração dessas mulheres!

De qualquer maneira, o seu "Grandão", entrará em minha interminável corrente de orações!

Abraço fraterno,
CHRISTINA ANTUNES FREITAS

Xikinho da Rádio disse...

Meus parabéns pelo sucesso do seu blog. Leia também sobre a Desmilitarização das polícias no Brasil. Em www.muriquifm.blospot.com um forte abraço a todos...

Xikinho da Rádio disse...

Governantes na contramão!!!
Como pode a mesma autoridade, ir para mídia cobrar postura de conduta por parte de alguns dos seus, se eles não da o devido exemplo?
Leia mais em www.muriquifm.blogspot.com

Anônimo disse...

AUMENTO PARA POLICIAIS

Ontem, o governador Sérgio Cabral afirmou que o aumento dos servidores da Segurança Pública será concedido ainda este ano. Quando questionado sobre o índice e o mês, Cabral disse: “Calma que vai sair”.

Há pouco mais de duas semanas, a Coluna do Servidor revelou um impasse entre pasta do Executivo e o Comando Geral da Polícia Militar. Uma secretaria defendeu que o estado só teria condições de pagar 5% de aumento este ano. O índice está longe do desejado pela PM, de 10% para a tropa.

Por enquanto, os servidores da Secretaria Estadual de Educação são os únicos que já tiveram algum tipo de reajuste. A partir de outubro, os funcionários ativos e inativos da pasta receberão R$ 100 de incorporação nos vencimentos básicos. O valor é resultado da incorporação da gratificação Nova Escola, que deixou de existir após a sanção do projeto de lei. Todo o processo vai demorar sete anos para ser concluído.

mais um sofredor disse...

SR:cmt geral e amigos da pmerj
bom dia, quero dizer algo q estou sentindo, quando vi aquela cena em que o sequestrador foi alvejado com um tiro certeiro ,por ser policial fiquei contente com o desfecho mas alguns estante depois quando olhei para minha vida policial,pro meu salário pra falta de tempo para minha familia, pois trabalho na policia na escala 24/48
e na segurança 12/36 e fico trocando serviço direto na segurança para não perder nenhuma noite então 10 noite na policia e mais 15 na segurança somam 25 noites fora de casa e vi q não estou saindo do lugar mas eu tenho que trabalhar tenho 2 filhos e a menina tem 5 anos presisa ter um bom estudo para q não venha parar nesta estituição, pois os filhos sempre tem os pais como referencia,voutando ao assunto do disparo do "major" eu queria q fosse na minha cabeça, pois já não aguento mais tanta dureza é muita humihação ralo pra caramba acho q estou depresivo não sei não cosigo ver um escape tento ter esperança na pec 300 mais sei lá quero morrer mais não consigo tenho medo talvez se eu toma-se aquele tiro ou outro .
deixa eu tomar um banho.

Anônimo disse...

Enquanto formos militares, vão pisar em nossa classe, existe os praças e os oficiais, já dizem tudo né, somos nada, e eles são os Deuses da nossa PMERJ, até quando ,até quando seremos nada nessa Polícia, com esse governador ainda, esses deputados, estamos condenados a viver o resto da vida na miseria, essa é a realidade de nossa classe.