sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Liberdade e libertinagem



Quando a liberdade e a educação liberal são confundidas com falta de limites caímos no abismo da libertinagem. Porque digo isso? É que hoje cedo, ao ler o jornal, me espantei com a indignação do pai do rapaz de classe média alta preso ontem pela polícia federal por envolvimento com o tráfico de drogas. O pai do jovem estava indignado com o “comportamento escandaloso” da PF no ato da prisão de seu filho e assumiu que seu filho era usuário de maconha desde os 15 anos de idade, ora meus amigos, com essa afirmação caímos em todos os comentários e afirmações que fiz na minha postagem anterior. O pai afirma também que nunca deu dinheiro para o filho comprar drogas, mas o sustentava e sustentava o neto de pouco mais de um ano e se o filho comprava drogas com o dinheiro do leite do neném ele não tinha conhecimento. Poxa vida, se eu tenho um filho viciado e ele me pede R$10,00 para comprar um sorvete é no mínimo ingenuidade minha achar que ele vai só comprar o sorvete, na minha santa ignorância de gente pobre e humilde vou achar que esse sorvete se chama “sacolé”, provavelmente branco e não é de coco. O pior nisso tudo é que os pais de hoje, não só o desse rapaz mas muitos outros, não só lavam suas mãos tentando se eximir de qualquer responsabilidade pelos atos criminosos de seus filhos (quando na realidade foram os primeiros a contribuir para esse mergulho sem retorno) como ainda tentam justificar as atitudes minimizando o crime e banalizando a violência por eles cometida; esquecem que todos os dias morrem jovens enredados nas drogas sintéticas vendidas nas festa e ruas, ignoram a gravidade das seqüelas sofridas por quem vivência violências cometidas pelos marginais que descem das favelas (e dos prédios de luxo), diminuem a gravidade dos riscos a saúde de quem faz uso de substâncias entorpecentes tentando justificar o uso da droga escondendo os riscos sob a máscara do uso terapêutico da mesma (terapia bastante discutível se levarmos em consideração que não existem provas dos benefícios da maconha) e, na minha opinião, o pior dos enganos, acreditar piamente que não é responsável pelo aumento da violência e que não financia o tráfico e a compra de armas. Como afirmei na outra postagem parece que alguns dos nobres membros da classe média não enxergam que a arma que será apontada para sua cabeça em um assalto ou a bala perdida de um fuzil que irá atingi-lo de um tiroteio não foi comprada com aquelas “humildes notinhas de cem reais” que ele deu ao seu filho para suas despesas gerais, entendam bem, despesas gerais e não uso de drogas, porque o dinheiro não é dado para comprar drogas, mas para o sorvete, o refrigerante, o lanche, o cinema, etc.
Não sou a dona da verdade, mas como mãe sinto que toda vez que fazemos vista grossa para o que nossos filhos fazem, ignoramos suas atitudes ou minimizamos seus atos classificando-os como “coisa de adolescente”, estamos empurrando-os para um futuro negro e, junto com eles, empurramos toda a sociedade. As atitudes isoladas quando somadas tornam-se uma enorme bola de neve que, depois de posta na descida, só vai parar quando bater em algo e for destruída e, na maioria das vezes, antes de bater ela arrasta muitas coisas e provoca muita destruição. Quem me conhece sabe que não sou uma criatura que pratica religião, mas tenho fé e acredito nas palavras do Senhor e se todos nós ou, pelo menos, a maioria seguisse o mandamento trazido por Jesus o mundo seria bem melhor, esse mandamento é: Amar a Deus sobre todas as coisas e a teu próximo como a ti mesmo. Quando se ama alguem você não quer desagradar, então a conseqüência são atitudes positivas, e se você ama as pessoas assim como se ama não irá praticar nenhum mal contra ninguém e a conseqüência é não haver maldade, mas se você acha que esse papo de Deus é balela, não tem problema, eu uso outro argumento: Cuide dos seus, plante somente aquilo que quer colher pois tudo o que acontece conosco é conseqüência de atos anteriores, então pense antes de agir, lembre que permissividade não é sinônimo de amor e que quem tudo pode em casa cria a falsa idéia de que o mundo é assim, que nunca diz não e que pra ele tudo é possível e quando o mundo lhe nega algo ele vai tentar tomar a força e a resposta do mundo pode ser muito cruel, aí as lágrimas que deveriam ser derramadas por conta de um sorvete negado ou um passeio que não foi feito podem se transformar em prisão ou morte. É o que estamos assistindo todos os dias, jovens que tem tudo para serem a nata da sociedade sendo presos por condutas ilícitas ou mortos por se envolverem em brigas e pancadarias covardes. Você que é pai ou mãe , leia com atenção, reflita e mude enquanto ainda é tempo. Respeito, amor, frustrações, alegrias, dor, sofrimento, paz, prazer e outros sentimentos são inerentes à vida e cabe a nós pais dar a nossos filhos essas sensações e conhecimentos para mais tarde não chorarmos sobre os seus túmulos ou nos pátios das penitenciárias. Aqui em casa eu sempre digo: Pata de galinha não mata pinto, eu educo hoje para não chorar amanhã!

Um comentário:

Fábio disse...

Muito bom seu texto, estou cansado desta classe média carioca que é medíocre, estou cansado dos "postos 9's" do Rio. Estou cansado desta sociedade que é contra as leis, a ordem e á policia. Este idiota que nunca deveria ser chamado de pai, e toda a imprensa que deu voz a este imbecil, deveria ser preso por apologia ao uso de drogas. É por este tipo de comportamento comum á classe média carioca que ocorrem casos como o de Daniel Duque e depois ainda estes idiotas vêm colocar a culpa do coitado do policial que deixa a familia em casa para dar segurança a uma cambada de playboyzinhos burros, inchados e drogados.

Abraço e desculpe pelo desabafo , é que estou de saco cheio desta sociedade.