sexta-feira, 18 de julho de 2008

Nós é que temos que perguntar: Que cidade é essa Governador?



Bandidos disparam 18 tiros de fuzil e pistola em carro da PM e matam 2
Rio - O sargento Joel de Almeida Gomes, 40 anos, e o cabo Francisco Silva Pereira Júnior, 34, do 23º BPM (Leblon), foram executados a tiros de pistola e fuzil, às 5h30 de ontem, dentro da patrulha 54-3322, parada em frente ao número 197 da Rua Fonte da Saudade, esquina com a Rua Sacopã, na Lagoa. O crime foi cometido por dois bandidos que saltaram de um Honda New Civic e acertaram 18 disparos no Gol da PM.
O assassinato revoltou os colegas de farda — muitos choraram e se abraçaram diante dos corpos — e moradores, que depositaram flores no local. Um fuzil e duas pistolas calibre 40 foram roubados. Os criminosos deixaram para trás uma pistola e um fuzil.
O comandante do 23º BPM, tenente-coronel Carlos Eduardo Millan, contou que, a pedidos de moradores por causa dos assaltos na área, a patrulha ficava baseada naquele ponto, 24 horas por dia, há três meses.
O barulho de rajadas acordou a vizinhança. Os PMs foram executados sentados, com os bancos inclinados para trás. “Mas isso não quer dizer que estavam dormindo. Podiam estar recostados, mas acordados. Eles seriam substituídos no plantão às 6h”, disse a delegada Bárbara Lomba, da 15ª DP (Gávea).
UM PAI HERÓI
Em meio ao silêncio do comandante-geral da PM, coronel Gilson Pitta Lopes, e o constrangimento do comandante do 23º BPM (Leblon), tenente-coronel Carlos Millan, o choro angustiante de Jonny Sales de Pereira, 8 anos, filho caçula do cabo Francisco Alves Pereira Junior.
Sentado em frente à cova 2.573, com os olhos marejados, Jonny era o retrato triste do menino que se despedia pela última vez do pai-herói, de quem ele sonhava seguir a profissão e com quem brincava vestido de policial do Bope. Mesmo ainda muito novo para compreender os ritos da cerimônia fúnebre, ele agarrou e não mais desgrudou da bandeira do Brasil que cobriu o caixão do pai e foi entregue pelo comandante Pitta.
FAMÍLIA CHORA
Foi pela televisão que o vigilante Jorge Almeida, 41 anos, ficou sabendo da morte de seu irmão, o sargento PM Joel de Almeida Gomes, mais de cinco horas depois do atentado na Lagoa. “Levei um susto e corri atrás para saber se era verdade”, disse ele. O PM não costumava comentar em casa os episódios de violência que enfrentava na rua, principalmente para preservar as duas filhas, de 12 e 17 anos, que já haviam perdido a mãe.

Mais execuções no subúrbio
Rio - Do outro lado da cidade, quatro PMs reformados foram mortos desde segunda-feira. O último caso ocorreu ontem, às 19h, no Engenho da Rainha. A vítima foi o sargento da PM de Rondônia (RO), Vanilson Donadio Maia, 48 anos, morto em tentativa de assalto na Avenida Pastor Martin Luther King Júnior. Ele passava com a sua moto NX 350 Honda KMP-4391, quando foi ferido por pelo menos três tiros dados pelas costas ao tentar fugir dos bandidos que estavam a pé.
Carioca, ele voltou a morar no estado depois que foi reformado. Morador de Maricá, Vanilson era motorista e voltava do trabalho. Um amigo, que não quis se identificar, disse que o PM se ofereceu para fazer um favor para ele porque acreditava que a moto em que estava não atrairia bandidos por ser mais velha que a do amigo.
Outro crime, na manhã de segunda-feira, o PM reformado Antônio José de Souza Neves foi executado a tiros numa tentativa de assalto à sua farmácia, em um dos acessos à Cidade Alta, em Cordovil. Perto dali, na entrada da Favela do Pica-Pau, foram encontrados os corpos de Ernani Silva e Josmar Cardoso, ambos de 62 anos, dentro de um Polo prata. Os casos estão sendo investigados por policiais da 38ª DP (Brás de Pina).
A principal linha de investigação considera a suposta reação do PM à tentativa de assalto a um carregamento de medicamentos que estava chegando para abastecer a Farmácia Mano Velho, da qual era proprietário, na Rua Fundão. Segundo testemunhas, por volta das 9h, um homem se aproximou do carro que abasteceria o estabelecimento e, com uma pistola, rendeu os funcionários. Neves teria tentado argumentar e acabou baleado. O bandido fugiu em uma Honda Bizz.
O caso dos dois PMs encontrados mortos no Polo prata placa LCO-5827, ano 98, carro continua obscuro. Moradores de Caxias, os PMs saíram de casa por volta das 14h de terça-feira para ir ao Quartel-General da PM, no Centro. Segundo depoimentos de parentes, eles queriam se inscrever no programa de recrutamento de reformados que a corporação está fazendo. Os corpos estavam no banco traseiro, onde também há marcas de bala. Cartões de banco e documentos estavam dentro do veículo, abandonado às 23h30 na Rua Schultz Wenk, na entrada da Favela do Pica-Pau. Um revólver 38 e uma pistola Taurus calibre 380 foram levados.Josmar chegou a trabalhar como segurança em uma empresa particular de coleta de lixo de Duque de Caxias. Já Ernani, segundo a família, fez segurança para caminhões de combustível recentemente.
Ataque a PMs no Rio Comprido
Policiais do 6º BPM (Tijuca) foram atacados a tiros, na tarde de ontem, por bandidos, no Rio Comprido, Zona Norte. Os dois soldados estavam em patrulhamento na viatura prefixo 54-3255, próximo ao número 455 da Rua Barão de Itapagipe, quando uma motocicleta amarela, de placa não anotada, com dois homens que dispararam vários tiros em direção aos PMs, que se abrigaram e conseguiram escapar. Os bandidos fugiram em direção ao Morro do Turano, que fica nas proximidades do local onde foram feitos os disparos. Um dos tiros atingiu o pára-brisa traseiro do carro da polícia. O caso foi registrado como tentativa de homicídio na 18ª DP (Praça da Bandeira).
*
Abaixo TRANSCREVO nota do blog dos Amigos do Sérgio Cabral:

"O Governador Sérgio Cabral estuda conceder aos Policiais Militares e Bombeiros um reajuste salarial de 20%, a partir de setembro, parcelado em 4 vezes de 5%. Não é o ideal, mas irá amenizar a questão dos salários dos PMs, resultado das péssimas administrações dos governos passados."
*
Esta Sr. Governador é a cidade do Rio de Janeiro, vulgo Cidade Maravilhosa, esta sr. Governador é a capital do Estado que o sr. vem governando com "maestria", esta é a cidade na qual o sr. é o primeiro a desrespeitar, desvalorizar, humilhar e diminuir seus policiais quando os xinga de débeis mentais e se recusa a enxergar que qualquer "treinamento" que possam vir a ter passa pelo seu crivo! Esta Sr. Sérgio Cabral é a cidade onde não se respeita o policial nem dentro de sua própria casa, casa esta onde o policial come uma comida de quinta, em um rancho de sexta e qualquer reclamação termina em uma cadeia de nona! Esta sr. governador é a cidade onde o policial é colocado estacionado em um ponto visível para que nós, pobres e crédulos cidadãos, acreditemos que estamos seguros, quando nem eles mesmos estão. É senhor Governador, esta é a cidade que o sr. quer policiar com pistolas de onze tiros enquanto os bandidos matam nossos maridos, filhos e pais com dezenas de tiros, portando fuzis com capacidade para 98 tiros de calibre 7.62 curto em um único carregador, que meu marido chama de "lata de goiabada". Esta é a cidade que o sr quer manter segura pagando um salário de fome, e ainda temos que aturar seus "amiguinhos" arrotando aos quatro ventos que um aumento de 20% em 4x de 5% irá minimizar a situação caótica em que se encontra o policial. Estudos de impacto na folha de pagamento estado à parte esse "aumento" deve dar aproximadamente R$42,50 por mês no contra cheque do policial, o que vai mudar sua vida, já que isso transformado em necessidade básica vai dar no primeiro mês para mais 5,3kg de alcatra em dia de promoção, ou mais sete latas de leite (os bebês agradecem, pois se não tomarem leite ninho dá para mais um pouco, quem sabe para todo o mês?), com isso o policial vai poder largar o bico, descansar antes de pegar no serviço e em consequência estar mais atento para não morrer; poderá passar mais tempo com a família e lhes dar mais algum tempo de lazer, quem sabe até lazer de qualidade como um bom teatro. É governador, realmente a vida de nossos policiais, as lágrimas de nossas famílias e a segurança do povo carioca vale todo esse "dinheirão": R$42,50 ao mês vai mudar nossas vidas e enxugar as lágrimas de mais cinco órfãos do estado!

3 comentários:

ASPRA-PM/BM-RJ disse...

LAVANDO AS MÃOS

A RAIZ DO PROBLEMA ESTÁ NA FORMAÇÃ0, NA FALTA DE RESPEITO E NO APOIO DAS AUTORIDADES AO POLICIAL.


Há muitos anos que vimos alertando às autoridades e à sociedade sobre a situação porque passa a segurança pública em nosso Estado.
Ao ingressar na Polícia Militar, o jovem depara-se com uma situação completamente diferente daquela que imaginava. Durante o curso de formação, o PM, aquele que lida diretamente com o cidadão, sofre com a falta de condições mínimas para que o profissional possa exercer a sua função com mister, começando aí a sua grande frustração. A formação é a pior possível, sem levar em conta a condição salarial que é o fator preponderante de atração para os nossos jovens.
No lugar do respeito, camaradagem e boas vindas, destrato e intimidação, em vez da caneta e sala de aulas, prioriza-se a faxina (flandu), matéria principal do curso de formação de soldados da PM, legislação e tiro policial, na maioria das vezes só aparecem no quadro, prática de abordagem, em especial, em veículos de passeio, coletivos e edificações, quase nunca. Manuseio com armamento portátil (fuzil), somente para a prática de ordem unida, onde esgota-se o nosso aluno com marchas e questões do cerimonial militar, tornando-o um soldado cumpridor de determinações superiores, o qual, terminando o curso de formação, estará pronto para atuar nas ruas defendendo o cidadão e como policial deverá estar preparado para tomada de decisões difíceis, muitas das vezes colocando em risco a sua própria vida e a de terceiros.
O tempo de descanso poderia ser utilizado para estudar em casa ou para o lazer com os seus familiares, nada disso acontece, o aluno é empenhado para trabalhar como vigilante de empresa privada nos estádios de futebol, Operação Verão (praia) e diversos eventos que ocorrem pela cidade.
Como podemos cobrar e exigir o máximo de quem conseguiu desmotivadamente apenas apreender e o mínimo?
Lamentamos o ocorrido com o menino, foi uma fatalidade. Se pudéssemos voltar no tempo, temos a certeza que tal fato não ocorreria.
Esperamos que o governo tenha coragem de mudar essa estrutura, alterando a grade curricular, com apoio e orientação de pedagogos e demais profissionais com formação na área de segurança.
O governador e o secretário de segurança adotaram na imprensa uma postura digna de Poncio Pilatos, lavaram as mãos, numa tentativa desesperada de eximirem-se da responsabilidade, alegando insanidade dos dois agentes de Lei, esqueceram-se que são os verdadeiros responsáveis por tudo isso e que durante o período de seleção os policiais foram submetidos a exames médicos, físicos e psicológicos.
Execraram os companheiros, julgaram e condenaram e pretendem executá-los em praça pública, o mais rápido possível para que se possa acabar com a repercussão que o caso gerou.
Observem que o Secretário de Segurança, sendo entrevistado no programa da Ana Maria Braga do dia 10 de julho, citou como exemplo a Polícia Inglesa, alegando ser a mesma, a melhor preparada e estruturada do mundo, esquecendo-se de dizer que com todo esse conhecimento e preparo, um inocente (brasileiro) fora confundido com terrorista e executado fria e covardemente.
Diante dessa tragédia que repercutiu no mundo inteiro,em nenhum momento vimos as autoridades inglesas execrarem os seus policiais, pelo contrário, deixaram que a perícia e a justiça se encarregassem do caso.
Os casos são idênticos, porém as posturas foram completamente diferentes. Será que o governador e o secretário se manifestaram daquela forma, temendo o desgaste, pelo fato de estarmos em período eleitoral?

ASPRA-PM/BM-RJ disse...

A ASPRA-PM/BM-RJ – PROPÕE AÇÃO CONTRA PUBLICAÇÃO DE PUNIÇÃO DE OFICIAIS NO BOLETIM RESERVADO. Visando corrigir uma grande injustiça, o tratamento diferenciado existente.

Processo nº 2008-207894 TJ/RJ

Representação de inconstitucionalidade com pedido de medida cautelar.

Com o escopo de declarar a inconstitucionalidade e de suspender a execução do artigo 34, do decreto Estadual nº 6.579, de 05 de março de 1983, regulamento disciplinar da Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro, publicado no diário oficial do Estado do Rio de Janeiro no dia 07 de março de 1983, ante as razões fáticas e jurídicas que passam a ser elencadas.

.................................................................... por todo exposto, visando resguardar a Constituição Federal e Constituição do Estado do Rio de Janeiro, as quais todos os poderes desse Estado devem obediência, é a presente representação por inconstitucionalidade para requerer:

1) Deferimento de medida liminar para suspender a aplicação do artigo 34, do decreto nº 6.579, de 05 de março de 1983;

2) ...............................................................................................................;

3) Seja julgado procedente o pedido, confirmando a cautelar requerida, concluindo-se por declarar inconstitucional o art. 34, do decreto nº 6.579, de 05 de março de 1983, com a conseqüente, suspensão dos seus efeitos

..................................................................................................................................................

Decreto 6.579/83 - Art. 34 – A publicação da punição imposta a Oficial ou Aspirante-a-Oficial, em princípio, deve ser feita em Boletim Reservado, podendo ser em Boletim Ostensivo, se as circunstâncias ou a natureza da transgressão assim o recomendarem.

CB VERDADE disse...

Cara Sr Silvia Gomes, precisamos agir, vou ser direto, a idéia é reunir esposas, amigos, amigas, parentes de Praças e fazer como em outro estado, mas aqui seria fechar a saida dos batalhões, ninguém sai, ou algum lugar expressivo, mas está muito difícil convencer aos colegas a aderir esta idéia, vc é uma mulher de fibra, pode muito bem ajudar muito, gostaria de ajudar? Seria uma atitude pensada e planejada, tipo, para ser realizada em 7 de setembro.
CB VERDADE, BLOG PRAÇAS DA PMERJ.